Temos 427 visitantes e sem membros em linha

O Lago da Preta em Sintra

 

 

Ninguém sabe ao certo a origem no nome do pequeno tanque localizado numa das extremidades do caminho dos Sete Pinheiros que termina junto a uma curiosa pedra arredondada, colocada no meio da "estrada" de terra, e que é conhecido por Lago da Preta.

Parece todavia certo afirmar-se que se trata de um lugar posterior à primeira fase de construção do Parque, já que não consta da planta de 1856 (do Tenente Coronel J.A. d'Abreu), e que terá surgido num momento mais avançado dos trabalhos.

O Lago da Preta é na realidade um pequeno tanque circular, forrado em Macadame, servido por uma bonita fonte, para a qual jorra água a partir de um pitoresco reservatório lateral em pedra. O fluxo de água é garantido por uma mina localizada na encosta, a nascente.

A fonte de pedra que debita a água no tanque redondo é lindíssima, e ainda hoje se podem observar dois pilares sobre os quais existiram (até há alguns anos) dois globos de pedra (visíveis na fotografia de cima, datada de 2002), hoje desaparecidos.

Junto ao Lago, uma bancada em forma de meia lua parece contornar o tanque pelo seu lado esquerdo, convidando ao repouso, à contemplação e ao diálogo com o Lugar.

Escondido na zona do Lago, um outro banco de pedra volta-se para o pedaço da encosta da Cruz Alta que ainda desce até à estrada de asfalto que se dirige ao Lago de Cascais. Trata-se de um recanto com magnífica localização, voltado a zona ocidental do Parque.

À direita do Lago, um caminho de terra sobe em direcção à Cruz Alta, e junto a ele pode ser observada uma casa de pássaros, pregada a uma árvore.

O caminho que desce vai-se encontrar com a já referida estrada asfaltada.

Para terminar, acrescente-se (a título de curiosidade) que a Monografia do Parque da Pena refere que junto ao Lago da Preta existia (em 1960) pedaços do antigo muro Jerónimo, restos da antiga vedação do Mosteiro de Nossa Senhora da Pena.