Temos 246 visitantes e sem membros em linha

Chalet Biester

 

 

O Chalet Biester fica na Estrada da Pena, à vista de todos que pela Vila de Sintra e que pelo alto do Castelo dos Mouros passam, data de 1890, e a sua construção foi plano do arquitecto José Luís Monteiro - responsável entre outras obras pela nave da Estação do Rossio e pelo aumento do Parque Eduardo VII  - ao qual foi requisitado que utilizasse um estilo denominado Queen Anne , mistura de neogótico e neo-românico.

 

Para o interior do Chalet Biester, o escolhido foi Luigi Manini, arquitecto e pintor, que à altura vivia em Lisboa, sendo encenador no Teatro São Carlos. Recorde-se que Luigi Manini foi o responsável pelas belíssimas obras do Palácio Hotel do Buçaco, e pela Quinta da Regaleira em Sintra, esta última, a pedido de Augusto Carvalho Monteiro, e em detrimento de Henri Lusseau, responsável pelo primeiro projecto do Parque da Liberdade em Lisboa, posteriormente Parque Eduardo VII.

Chalet Biester

 

Luigi Manini utiliza assim no interior frescos medievais, combinando-os com o gótico flamejante, e o estilo próprio da época, mescla da qual saem os vitrais multicolores encomendados em França, que dão um colorido clássico ao interior, iluminando também os móveis criados por Leandro Braga, o artista entalhador que criou igualmente peças para o Palácio da Ajuda, e para o Palácio de Belém (residência oficial do Presidente da República Portuguesa).

 

Em todas as divisões, sobre um fundo uniforme (bege no átrio, cinzento nos salões, verde e azul na capela), encontram-se reproduzidos - com o auxílio de um escantilhão - múltiplos e variados motivos: flores, ramagens, diversos desenhos geometrizantes, figuras várias.

 

 

Neste contexto, ao cimo de uma bonita escadaria neo-gótica, um "hall" é bem o exemplo da amálgama estética que já se salientou: nas paredes laterais, duas figuras, uma jovem vestida de musselina branca e um bravo cavaleiro, aparecem frente a frente, de forma teatral; na parede frontal, vê-se o cúmplice cúpido. Estas figuras estão enquadradas por uma profusa ramagem, contendo certos elementos neo-clássicos.

 

Quanto ao proprietário, "Biester" de nome de família, surgem duas versões em vários textos aludindo a duas diferentes pessoas: Ernesto Biester, grande comerciante de cortiça, de origem alemã, à época há muitos anos em Portugal; Ernesto Biester, criador de inúmeros textos, dramaturgo, jornalista, e empresário do Teatro D. Maria II, que nasceu e faleceu em Lisboa.

Chalet Biester

 

 

É possível também encontrar no número 4 da revista A Architectura Portugueza, de 1908:

 

Nota: com ortografia da época:

 

” Em detalhe, toda a construcção é um mimo. Exteriormente, o arco abatido que emmoldura a porta dupla de entrada, arco em que se ergue um balcão coberto, constitue, no seu conjuncto, um motivo delicioso em que [José Luís] Monteiro affirma, simultaneamente, o seu valor de constructor e de artista. D’uma grande simplicidade, casando-se admiravelmente com a restante fachada de que esse motivo é a parte central e principal, as columnas que, n’elle, entram, sem deixarem de representar a sua funcção structural, de supporte, são d’uma graça e leveza incomparáveis, e a maneira como Monteiro deu a máxima cor, sem volumes excessivos, a esse detalhe da fachada, é tambem uma affirmação, e boa, da sua valia".

 

Internamente, se Monteiro teve a collaboração de Manini e Leandro Braga que, sobretudo na sala de jantar, mostrou quão grande era o seu valor de technico e artista, a sua direcção adivinha-se em toda a parte, ainda mesmo n’um ou n’outro ponto em que a phantasia de Leandro Braga, sentindo-se mais à vontade, se expandiu por isso tambem mais livre e acentuadamente. Desenhador d’um valor que, ainda hoje, é lembrado como tal pelos seus companheiros do atelier Pascal, Monteiro, sem prejudicar a visão de Leandro Braga que era o primeiro a respeitar, detalhou até à ultima, sempre que o julgou necessario, qualquer pormenor em que Braga interveio e que Monteiro entendia estar dentro da sua alçada. No resto, Braga, subordinando-se ao plano geral, fez só o que a sua consciencia de artista lhe ditou. E assim, a obra dos dois, se por vezes se funde, funde-se sempre em virtude do esforço consciente de ambos, não trazendo por isso prejuizo a um ou a outro, mas antes dando-lhes mais lustre e gloria.

 

Chalet Biester

 

 

 O parque que, como já dissemos, é obra de Nogré, é uma maravilha. Como Polixénes do “Conto d’Inverno” de Shakespeare, que dizia que “a arte que ajuda a natureza é a arte superior porque é, por assim dizer, ainda a natureza”, o sr. Nogré fez o seu jardim Biester no estylo da paysagem, limitando-se sempre que lhe foi possivel, acabar a obra principiada pela natureza, e isso sem esquecer a casa que o jardim tinha de enquadrar. N’esta orientação, traçou-lhe todas as ruas e alamedas de forma a fazer valer, de todos os lados e o melhor possivel, a silhueta geral do edificio. Ora avultando em pittorescos maçissos, ora ondulando, naturalmente, sem outra cobertura além da que lhe dá a herva cuidadosamente aparada, o parque valorisa-se assim com o mesmo principio de sobriedade que caracterisa, na alternação dos espaços nus e decorados, o estylo romanico. E, correndo em todos os sentidos, ao longo das três faces posteriores da casa, que umas vezes quasi desapparece sob a massa dos seus tufos, outras surge desafogada, e ainda outras apparece enquadrada e recortada da folhagem, esta oferece-se, por esta fórma, continuamente, a quem a olha de fóra, como um elemento sempre original e novo."

 Chalet Biester - Capela

"Na casa Biester, collaboraram as seguintes pessoas: mestre Costa, tendo por encarregado de carpinteiros seu sobrinho Carlos da Costa Soares, ambos de Cintra. Este ultimo, quando aquelle se impossibilitou por doença, substituiu-o como mestre da obra até final, mostrando a sua muita competência. Os estuques são de Domingos Antonio da Silva Meira; a esculptura em madeira de Leandro Braga e a pintura decorativa de Luigi Manini, excepto o arauto que se vê na entrada que é de Baeta, tambem distincto pintor.”

A guarnição de ferro forjado da grande chaminé da sala de jantar é de José da Quinta, artista serralheiro de grande valor.

No dia 1 de Dezembro de 1911 Estevam dos Santos trabalhador nesta casa suicidou-se perto da quinta da Penha Longa, dando início a uma sussessiva e estranha  vaga  de Suicidios na vila de Sintra.

O Chalet Biester foi também palco de uma parte do filme The Ninth Gate (A Nona Porta) de Roman Polanski, em que o protagonista principal foi o actor Johnny Depp .

Chalet Biester